Conheça a história de Mariana e João, que brilham tanto na universidade pública quanto na particular

Dentre as lutas e conquistas dos negros na sociedade, destaca-se o avanço considerável de ingressos no ensino superior. Dentro dessa estatística está a egressa do curso de Direito, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), a advogada e servidora pública Mariana Cruz, 28, que sentiu na pele a dificuldade para conseguir continuar os estudos além do colegial. Contudo, a intensa vontade de ir adiante trouxe resultados que ela faz questão de comemorar.

A advogada é fruto da política de cotas raciais na universidade pública e, também, da reserva de vagas para negros nos concursos públicos. Para Mariana, isso não a diminui perante os demais concorrentes, tampouco reflete falta de capacidade. “Eu posso afirmar que sou a prova real de que ação afirmativa dá certo, sim, e tem um retorno positivo, se muito bem administrada. Desafio qualquer um que conteste essas políticas, muitas vezes sem conhecê-las a fundo, a provar que meu conhecimento é reduzido ou inferior ao de qualquer outro colega”, argumenta.

Assim como Mariana, outros cidadãos em situação semelhante também estão conseguindo cursar uma graduação. Como reflexo, o número de pretos e pardos na universidade pública ultrapassou, pela primeira vez, a metade das matrículas em 2018, somando 50,3%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Já na universidade particular, o número de estudantes negros dobrou, de acordo com o último censo do IBGE. Para o pesquisador do referido instituto, Claudio Crespo, a melhora nos indicadores é relevante, “mas como a desigualdade é histórica e estrutural, os ganhos para a população preta ou parda só aparecem com organização e mobilização social e políticas públicas direcionadas”.

Nesse contexto, o estudante de Jornalismo, João Salvador, também soube aproveitar a oportunidade de ingressar em uma faculdade. Apesar dele e sua mãe não terem condições de pagar as mensalidades do curso de graduação, o sonho de João pôde ser realizado através do Educa Mais 2020, maior programa de inclusão educacional do país. “Foi aquele gol aos 45 minutos do segundo tempo. O Educa Mais Brasil abriu as portas para que eu pudesse cursar a universidade particular”, conta entusiasmado, o estudante que pretende dedicar-se ao Jornalismo Esportivo.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil


Sisu 2020: inscrições serão liberadas em janeiro; confira

Período vai de 21 a 24 de janeiro de 2020 Entre os dias 21 a 24 de janeiro de 2020, candidatos podem cadastras as suas opções de cursos no

Mostra Cultural da Casa da Cultura começa nesta sexta (06)

Casa da Cultura prepara Mostra Cultural para esta sexta (06) e sábado (07) Dedicada inteiramente a Cultura, as mostras Culturais funcionam como

O que é avaliado no Pisa, exame que o Brasil não está avançando

Exame internacional tenta avaliar, em 79 países e economias, capacidade de estudantes de 15 anos em analisar textos e aplicar conceitos matemáticos

Nota baixa: Brasil fica abaixo da média em avaliação do Pisa

Estudantes foram avaliados nas disciplinas de literatura, matemática e ciências As pontuações médias obtidas por estudantes brasileiros

Jubileu de Prata Dourada do Colégio Henrique Brito: 42 anos de

Teixeira de Freitas: “Deve haver um lugar dentro do seu coração / Onde a paz brilhe mais que uma lembrança / Sem a luz que ela traz já nem se

"Culpa é do PT", diz ministro da Educação sobre desempenho no Pisa

Abraham Weintraub reforçou que o exame foi feito em 2018. Brasil ficou em último lugar na classificação em matemática O ministro da

Governo deve publicar nova Política de Educação Especial

Assunto divide especialistas O governo se prepara para publicar um decreto alterando a Política Nacional de Educação Especial. A informação

Decreto que institui Programa ‘Ciência na Escola’ é publicado

O Programa Ciência na Escola que, entre outras medidas, objetiva aprimorar o estudo de ciências nas escolas de educação básica, estimular o

2% dos alunos brasileiros têm nota máxima em avaliação

Pisa 2018 foi aplicado em 79 países a 600 mil estudantes de 15 anos O Brasil teve uma leve melhora nas pontuações de leitura, matemática e

SEC BA orienta sobre devolução de livros didáticos

Com a aproximação do final do ano letivo da rede estadual de ensino, a Secretaria da Educação do Estado orienta as unidades escolares sobre a

Nossos Apoiadores: